Dos cafés que duram 3 horas

Ontem. Café que devia ser rapidinho porque o cansaço é mais que muito. Rapidamente se passaram 3 horas. Outra vez.

E eu gosto destas 3 horas. Muito.

{e as dm’s que continuam. E sempre a sensação de “já foste, Kooka Maria”…e já nem me importa se “já foste” ou não.}

Não tenho tempo para perder tempo. E estas três horas não são tempo perdido.

São tempo de ir conhecendo e sair novamente com a sensação “conheço-te da vida toda”.

E depois há finais de dia assim, de sentar na relva, debaixo das árvores. Com a luz perfeita para um final de dia perfeito. E continuar a conversar, a ouvir, a falar, a partilhar, a conhecer. E o sol a dizer que amanhã é outro dia, e as dm’s a prolongarem-se pela noite, porque a noite também é dia.

E, cá dentro, há um bichinho que vai crescendo. Que tinha desaparecido há muito tempo. Tanto tempo. Demasiado tempo. E não sendo borboletas na barriga, é um bichinho que enche o peito, preenche a alma. Vai crescendo devagarinho. Mas com força. Que assusta, claro. Mas que diz também “que se lixe”. Estou viva, estou “aqui e agora”. E quero [e vou!] aproveitar cada segundo disto. Seja lá isto o que for. Porque mais facilmente me arrependo do que poderia ter sido se tentasse mas não tentando do que não foi mas tentei.

3 thoughts on “Dos cafés que duram 3 horas

  1. Pec

    Esse café e esse “seja lá o que for” vai correr bem. Para já, já ganhaste, com esse “vou aproveitar”. Go, girl! \o/

    Reply
  2. Luisa

    Há que aproveitar bem esses cafézinhos Kooka Maria!!!! O que vier por arrasto … que venha!!!! 😀

    Reply

{comentários}

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.