Daily Archives: 24/11/2014

#day98

Dizem as “regras”: take a picture everyday.
Mas nos happy days nem sempre há tempo, vontade ou até necessidade para take a picture. Das digitais ou analógicas, pelo menos. Porque das outras, que guardamos cá dentro, tira-se a cada momento, a cada partilha, a cada toque.

Por isso, aos 98 dias, vou buscar uma foto com alguns meses. Por ser de um pavimento bonito, antigo e com tanta História e histórias para contar. Podia ser de um Castelo, mas não é. Mas não é importante. O que é importante aqui, para mim, é a História e as histórias.

Porque, de certa forma, me relembra um percurso. O meu. Dos últimos 98 dias. Que me levaram a um Castelo na Lagoa.

Gosto de Castelos. Até mesmo dos de areia que em dias quentes construo com a sobrinhagem para logo depois destruir para voltar a construir, carregando baldes de areia que se enchem com cuidado para depois desenformar e voltar a ter Castelos.
Decorados com conchas e complementados com túneis que são mais fáceis de construir que pontes.

Mas o Castelo na Lagoa constrói-se de momentos. De partilhas. De sensações. De sentimentos. Genuínos, todos estes tijolos do Castelo na Lagoa.

E também estes eu gosto de construir. Mas para durarem mais que os castelos de areia dos dias quentes à beira mar. E não com túneis e sim com pontes. Pontes que ligam dois pontos inicialmente distantes. Pontes que aproximam pontos.

E essas pontes têm, também elas, um pavimento que se quer bonito. Que se quer com História e com histórias.

O Castelo na Lagoa constrói-se todos os dias. E já não é apenas para o aqui e agora. É também para amanhã de manhã, amanhã à tarde, amanhã à noite.

O Castelo na Lagoa ficou, fisicamente, lá. No sítio dele. Mas o Castelo na Lagoa fica também cá dentro, comigo, com tudo o que nos trouxe. E trouxe tanto. E soube a tanto sabendo a tão pouco porque, apesar do Mundo lá fora não ter entrado no Castelo na Lagoa, o tempo não soube parar e esperar.

Sim, hoje, mesmo tendo dito até já ao Castelo na Lagoa, foi mais um happy day. Daqueles que se querem muitos. Tantos.
247187_10152624383943800_2898953808201735439_n