Daily Archives: 06/12/2015

#day475

Ser árvore. É ser forte, para mim, por mim, para os outros, pelos outros.
É ter ramos que se estendem quando são necessários. Estão lá, sempre. Como estiveram hoje novamente, como estiveram ontem, como estarão quando forem necessários.

Mas também as árvores precisam, tantas vezes, de apoios quando começam a vergar com o peso dos próprios ramos. Quando só as raízes e a força que trazem em si não são já suficientes.

Tantas vezes que deixei de ver esse apoio. Via, mas não entendia. Hoje vi, entendi, aceitei e sorri, ainda que não tenha sorrido em escadinhas. Mas alcancei, ainda assim, o patamar do sorriso. Um abraço retribuído, uma visita inesperada ainda que quase fugaz, um toque firme. O suficiente para alcançar novamente o patamar do sorriso, mesmo não tendo sorrido em escadinhas.

O frio. Tanto. O cansaço após uma noite pouco dormida que me soube por uma noite inteira. Porque a senti assim. As árvores do Jardim, em particular a minha árvore.

Perceber que, de facto, a História se repete. Como as histórias. Com diferentes personagens porque o livro é já outro. E este livro, esta história, tão melhor que o livro anterior.

Perceber, também, que tudo tem um prazo. Esperado ou não, delineado ou não, ele está lá. Sempre. E o que fazer quando existe um prazo delineado? Deixar o Tempo passar até lá chegar sabendo que o que vem depois é tão diferente? Ou viver, Viver, esse Tempo sem ter Tempo para perder Tempo? Opto por Vivê-lo. O que vier depois é tão demasiado incerto. E eu estou Viva. E opto por Viver esse Tempo sem ter Tempo para perder Tempo.

Este Tempo é meu. Irei Vivê-lo. Contando os dias até ao #day500, daqui a 25 dias.

O que for Tempo depois desse Tempo, será.

image