#day24 out of 365plus1

Descobri hoje a verdadeira razão de ter adiado por tanto tempo a ida onde tinha que ir: o medo. Medo de encontrar quem não me apetece ver. E percebi hoje, também, que esse medo não é do encontro, mas da pessoa. Pessoa que não vejo há seis meses, de quem não sei nada há seis meses mas que, percebo hoje, me deixa com medo. Não me assusta. Mete-me medo. Porquê exactamente não sei. Mas não me esqueço daquela viagem de carro de pouco mais de 2 km que foi a mais longa viagem de sempre. A curva que foi feita a tempo, a travagem a fundo a tempo de evitar o embate, os gritos, os insultos, o bater com a porta do carro e fazer o resto do caminho a pé e chegar ao destino ali a 200 metros para encontrar, a sair do carro, quem não percebia porque me via chegar a pé e não sabia o que tinha acabado de acontecer escassos minutos antes.

Não me esqueço, também, das ausências mal explicadas, mal contadas e do momento em que o balde transbordou e, claro, a culpa seria minha. Ou, muitos meses depois, de manhã ser preto e à noite ser branco como se o preto nunca tivesse existido.

Não me esqueço, também, do Tempo perdido quando mais precisava de Tempo para mim.

Não me esqueço das mentiras.
Não me esqueço das tentativas, tantas, de manipulação. Desde o primeiro dia.

E hoje percebi que andei a evitar, durante vários meses, uma ida onde tinha que ir por medo. Nada mais que medo de uma única pessoa que, diz-me a experiência e o instinto, há já muito tempo que por lá não está.

Terei que lá voltar em breve. Sozinha, como sempre. Mas, apesar do medo, sei agora que apesar de tudo estarei e ficarei bem. Porque o medo é também o que me faz seguir de cabeça erguida e passo firme. E as probabilidades de um encontro com quem não quero são escassas. E mesmo que aconteça nada de mais se passará.

Medo. Sim. Que me prendeu durante meses. Que existe. Não sei se racional ou não. Mas que, apesar de tudo, não voltará a roubar-me o sorriso e a vontade de sorrir. Até porque ali, onde durante tanto tempo evitei ir, são mais as pessoas boas do que apenas uma que não quero encontrar. E por isso mesmo irei lá voltar com um sorriso. O meu.

image

{comentários}

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.