#day232 out of 365plus1 

Aos poucos a cor vai voltando. Ainda que o Verão seja um pouco como eu: instável. 

Instável. Sim, sou. Faz parte de quem sou. Mas não pode, não deve, definir-me no todo. Sou mais que isso. Sou mais do que os últimos dias. Semanas. Sou melhor que tudo isso. Que tudo isto. 

Mas, como sempre, e novamente, um dia atrás do outro atrás do um. Regressar ao meu caminho. A uma estabilidade que sei que não será eterna. Porque sim, sei, sou instável. Não seremos todos, no fundo? Reagimos apenas de modos diferentes. Eu reajo à flor da pele, no bom e no mau. Mas especialmente no mau. 

Não peço cuidados, cautelas nem paninhos quentes. Apenas que me aceitem assim, por inteiro, instável. Fraca que quebra. Forte que se reergue. Mesmo que tenha que bater no fundo para voltar à superfície. 

Já mergulhei nesse fundo várias vezes. A profundidades diferentes. Nunca como nos mergulhos, vários, dos últimos dois anos. Nunca como no mergulho dos últimos dias. Decididamente o mais profundo de todos. O mais negro de todos. 

Sei que tenho preocupado muita gente. Sei que tenho assustado muita gente. A minha Mãe. A minha Mãe acima de tudo. Tanta gente que me estendeu a mão nos últimos dias. Tanta gente a quem ainda não respondi porque a vontade de comunicar, tal como há dois anos quando durante 3 dias não falei, a vontade de comunicar era nula. 

Sou grata, tanto, a todos. Responderei a cada um. Nunca conseguirei retribuir à altura. 

Caí. Mergulhei. Voltei àquele fundo negro que já conhecia. Deixei-me levar ainda mais para o fundo. Assustei tanta gente. Assustei-me a mim mesma… Muito. E admiti e aceitei que precisava, preciso?, de ajuda. Pedi-a. Recebi-a. E em menos de nada tudo se conjugou para que acontecesse exactamente o que precisava. 

Não há coincidências. Nada acontece por acaso. São frases feitas? São. Mas há coisas que não se explicam. E numa noite de Lua Cheia com eclipse os astros alinharam-se quando menos esperava simplesmente por ter pedido ajuda. 

Deixemos a explicação assim, com esta imagem de astros alinhados e Lua CheiaCheia e eclipse e maré baixa e…e…e…! Até a Terra tremeu meia dúzia de horas depois. 

Aos poucos a cor vai voltando. E toda esta instabilidade, minha e do Verão, irá acalmar. 

Aos poucos voltarei a ser eu por inteiro: instável e a sentir tudo à flor da pele. 

{comentários}