#day244 out of 365plus1 

Já o tinha dito antes, di-lo-ei as vezes que forem: pedir ajuda não é vergonha nenhuma.

Há um caminho pela frente que terei que percorrer, sem pressas porque estas coisas levam tempo. Será, provavelmente, um longo caminho. Mas tem um objectivo muito bem definido: fazer as pazes. Comigo.

Não é possível percorrer alguns caminhos sozinha, sem apoio. Nem sempre os amigos e a família são o suficiente para estas caminhadas. Porque, por vezes, o tombo é grande. Demasiado grande e só nos apercebemos disso no limite. Ou já depois de ultrapassar esse limite.

A Depressão dói. A Depressão arrasa. A Depressão faz-nos fechar ao Mundo, faz-nos recolher à nossa concha. Faz-nos afastar do trabalho, das coisas que nos dão prazer, das pequeninas coisas que nos fazem bem. E, acima de tudo, a Depressão faz-nos afastar das pessoas. Da família que nos quer bem. Dos amigos que nos dizem “estou aqui”, que se preocupam, que se fazem presentes, que nos estendem a mão para nos puxar para cima.

A Depressão afasta-nos do Mundo. E de nós próprios. Porque a Depressão dói e faz doer e é uma dor que muita gente não entende e, como tal, não aceita.

A Depressão não é unicamente uma questão emocional. É química também. Algumas vezes exclusivamente química. Quando o corpo não funciona correctamente, quando as hormonas estão alteradas, quando os processos neuroquímicos estão comprometidos, a Depressão facilmente se instala.

E para quem tem dificuldade em perceber, dou exemplos:

– hipotiroidismo, quando a tiróide é lenta, preguiçosa ou simplesmente não produz tiroxina, estados depressivos são sintomas comuns, podendo ser controlados com compensação de tiroxina sintética;

– tiroidite de Hashimoto, quando, para além do hipotiroidismo, a tiróide é um ser estranho que o mesmo organismo que a acolhe é o mesmo que a rejeita e ataca. Auto-imune, termo que tantas vezes ouvi ao assistir a House M. D. e que não entendia, hoje faz parte da minha ficha clínica. Não bastava ter uma tiróide que não produz o suficiente, tinha que ter uma tiróide que eu própria rejeito. Como auto-imune que é, Hashimoto não tem cura. Não são ainda conhecidos todos os efeitos no organismo, e são já demasiados, mas os estados depressivos graves fazem parte. E, também aqui, não é necessário um episódio emocional para desenvolver um quadro depressivo major. Basta mais um ligeiro descontrolo da tiróide. Por outro lado, basta haver um episódio emocional para que a tiróide se descontrole para desenvolver um quadro depressivo major. Sim, é uma espécie de pescadinha de rabo na boca. É ser preso por ter cão, preso por não ter. É experimentar um sem número de medicamentos anti-depressivos diferentes para perceber qual deles faz o melhor efeito e nenhum deles ter um efeito melhor do que um copo de água…

– serotonina, o chamado químico da felicidade. Fraca captação de serotonina no cérebro enfraquece as sinapses, as comunicações entre neurónios, e o quadro depressivo instala-se;

– falta de vitamina D, aquela que nos é dada pelo Sol. Sim, dizer que se vai fazer a fotossíntese, ao contrário do que já me têm dito (“as plantas é que fazem a fotossíntese, oh! “),  está correcto. Ao contrário das plantas não temos clorofila nem transformamos dióxido de carbono em oxigénio, mas transformamos a luz do Sol em vitamina D. E a vitamina D é dos melhores anti-depressivos que existem. Ainda por cima é gratuita, livre de impostos e 100% natural. A falta de vitamina D leva a quadros depressivos graves e incapacitantes. Sim, há pessoas que durante os meses de Inverno funcionam mal, ou não funcionam de todo por causa da Depressão. E no início da Primavera é normal vê-las a reagir, a sair da concha, a voltar ao Mundo. Até mesmo aquelas que, pelas costas, são rotuladas de “maluquinhas” porque “lá estão outra vez na fase da maluqueira” e que “há maluquinhos que só trabalham no Verão”. Infelizmente já ouvi demasiadas vezes. Não era comigo. Mas incomodou-me. Assim como me incomodam todos os estigmas e rótulos ligados à Depressão. E não adianta explicar a questão da vitamina D. Que, apesar de ser gratuita, livre de impostos e 100% natural, não tem substituto químico, ao contrário de outras vitaminas. E não adianta dar exemplos da elevada taxa de suicídio nos países nórdicos onde, por motivos óbvios, existe escassez de vitamina D.

A falta de conhecimento, a ignorância e a falta de tolerância são grandes inimigos do doente com quadro depressivo.

A Depressão dói. E nem sempre é exclusiva de quadros emocionais. E,  quando os factores  emocionais e químicos se juntam, a Depressão leva-nos a cenários muito negros. E perigosos.

Reconhecer que se precisa de ajuda não é vergonha nenhuma. Pedir ajuda especializada não é vergonha nenhuma. Existe o estigma, a ignorância, a falta de tolerância. E isso sim, são motivos de vergonha para quem não aceita que alguém esteja a sofrer de algo que não se vê. Mas que definitivamente se SENTE. E sim, dói. Muito. Tantas vezes demasiado.

One thought on “#day244 out of 365plus1 

  1. Pingback: #day313 out of 365plus1  | Life is Like a Box of Chocolates

{comentários}