{#página67} 

A ansiedade não mata, dizem. Há 23 anos que o oiço, há 23 anos que o repito a mim mesma. Há 23 anos que faço por acreditar nisso. 

A ansiedade não mata, dizem. Mas mói. Muito. E dói. Demasiado. 

Pára e respira. Regressa ao aqui e agora. Deixa o que for que está lá à frente. Afinal, ainda não chegou. E já devias saber que pode nem chegar. Lembras-te quando, há 3 anos, repetias todos os dias que o importante era o aqui e agora porque amanhã sabias lá se sequer lá irias chegar? Repete novamente. Volta ao momento. Volta ao aqui e agora. Amanhã, se o amanhã sequer chegar, ainda está longe. E o que o amanhã trouxer resolve-se na altura. 

Pára e respira. Racionaliza. O que é que te assusta? Porquê agora todo esse desnorte de ansiedade? Porquê assim, com essa intensidade, com essa força que te derruba? Não. Não te derruba. Abana-te. Mas sabes tão bem, há tanto tempo, que não te derruba. 

E se falhares? Que mal tem? Podes dizer-me todos os males que falhar tem. E eu vou dizer-te o que tu já sabes mas teimas em esquecer-te: falhar faz parte. Mas tu não vais falhar. Sabes isso. Por muito que te sintas exausta, por muito que sintas que tens feito tudo, dado tudo, sabes que não vais falhar. Porque isso está lá à frente, num amanhã que sabes lá sequer se chega. E tu estás aqui. Agora. Não lá à frente. 

A ansiedade não mata. Sabes isso tão bem, há tanto tempo. Sabes também que a visão turva, a respiração descontrolada, as palpitações que fazem estremecer não passam de sensações físicas de um medo irracional. Sabes que a ansiedade não mata. Mói muito, eu sei. Dói demasiado, também sei. Mas, tu e eu, ambas sabemos que também és mais forte do que isso. Já aí estiveste antes. Lembras-te? Claro que te lembras. Por muitos anos que passem não há como esquecer. Mas estás a esquecer-te do mais importante: há 23 anos que sobrevives a todos os picos de ansiedade, a todas as crises, a todos os medos irracionais, a todas as palpitações que fazem estremecer. 23 anos. Mais de metade da tua vida. E sobreviveste à ansiedade. Sempre. 

Pára e respira. Sabes tão bem que tudo isso vai acalmar. Que tudo vai passar. Que tudo se vai resolver. Pára, respira e racionaliza. Nunca permitiste que a ansiedade te parasse antes. Não o vais permitir agora. 

Pára. Respira. Racionaliza. Vai correr tudo. Tu sabes que sim. Tu sabes. 

Pára. 

Respira. 

Racionaliza. 

Vai. Correr. Tudo. Bem. 

Tu sabes que sim. 

{comentários}

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.