Daily Archives: 18/04/2017

{#página108} 

Normalidade não é um conceito linear. O que é normal para uns pode não ser normal para outros. Normal é seguir a norma, imposta sabe-se lá por quem. 

Nunca me afirmei normal. Dentro da norma. Igual aos outros. Sensação estranha, saber-me fora da norma e querer fazer parte não querendo. Ou não querer querendo. Ou… Não sei. 

Sei, sim, que a linha é, ainda, muito ténue. Demasiado ténue. Demasiado frágil. E se as vozes na minha cabeça já não me gritam, apenas sussurram a doçura dos riscos na pele, hoje são as imagens que me fazem viajar entre a realidade e a fantasia, sem definição de fronteira, sem perceber se já passei a linha ou se apenas a pisei. Ou se não me aproximei sequer! 

Não. Não faço parte da norma. Mas quero fazer não querendo quando dou por mim numa realidade que não existe, a viver momentos que só existem na sala de projecção que é a minha cabeça. Quando dou por mim fisicamente aqui enquanto a cabeça está num outro mundo qualquer que começou a ganhar forma e força há pouco tempo. Num mundo que não é real, dou por mim a perceber, mas que tem cheiro, sabor, diálogos imaginários, toques de pele com pele sem peso. 

Viajo demasiadas vezes. Demasiado depressa. Demasiado facilmente. E dou por mim a pensar que é tão mais fácil do outro lado, a viver uma realidade que é irreal, que não existe se não nos filmes da minha cabeça.

As vozes não me gritam, sussurram apenas. Assustam ainda. Claro. Mas as imagens, agora as imagens, a realidade imaginária que só existe na minha cabeça, quando estou sozinha comigo ou até acompanhada com os outros. 

E se um dia eu não voltar…? E se um dia a realidade imaginária me prender do outro lado? E se um dia eu trouxer essa realidade imaginária para o lado de cá, para o lado que faz parte da norma onde tudo aquilo que vivo dentro da minha cabeça não existe? E se um dia eu me perder do lado de lá, ou será do lado de cá?, e se eu me perder e começar a viver esses filmes que trago na minha cabeça…? Interagindo do lado de cá com os actores que me habitam o lado de lá? Interagindo do lado de cá exactamente da mesma forma como interajo do lado de lá? É tão doce o outro lado……… 

Não sigo a norma. Não faço parte dela. Nunca fiz. Nunca quis fazer. Quero hoje. Porque não sei até que ponto já ultrapassei aquela linha, se apenas a pisei ou sequer me aproximei. 

É tudo cada vez mais confuso. Estranho. E confortável… Demasiado confortável. Do lado de lá………