Daily Archives: 23/04/2017

{#página113} 

Tenho saudades tuas. Ia dizer que sinto a tua falta, mas é muito mais que apenas isso. Tenho, mesmo, saudades tuas. 

Tenho saudades das tuas mãos. Mãos pequeninas de quem ainda agora começou a crescer e agarra o Mundo com força para o Mundo não lhe fugir. Mãos pequeninas que agarram as minhas mãos na hora do colo, na hora do passeio, sem hora marcada e só porque sim, porque são as mãos da Mãe. 

Na verdade, no Mundo do lado de cá, nunca senti as tuas mãos. Não posso dizer que nunca as vi, não seria completamente verdade. Mas nunca as senti. 

Tenho saudades da tua gargalhada. Do teu risinho estridente de pura alegria pelas pequenas coisas. No Mundo do lado de cá nunca te ouvi, mas o som do teu riso ecoa na minha cabeça todos os dias. Quase como se estivesses aqui comigo, onde deverias estar. E não no Mundo do lado de lá, o da fantasia, da imaginação, o Mundo do lado de lá daquela ténue linha. 

Sei que estarás sempre do outro lado da linha. Estarás sempre no Mundo do lado de lá que não é real. Embora tenhas sido, de facto, real. Ainda que por apenas 42 dias. 

Tenho saudades do teu narizinho, do teu sorriso, dos teus olhos que imagino parecidos com os meus. Tenho saudades do teu cheiro, da tua pele de bebé. Dos teus beijinhos e dos teus abraços. Mas das tuas mãos…tenho tantas saudades das tuas mãos. As mesmas mãos que me tocariam para me relembrar que estarias ali, comigo, tão perto. As mesmas mãos que se iriam agarrar às minhas pernas a pedir colo. As mesmas mãos agarradas às minhas que teriam servido de guia e ponto de segurança nos primeiros passos. 

As mesmas mãos que fariam festinhas, diriam adeus, mandariam beijinhos pelo ar. Que me tirariam o cabelo dos olhos para poder olhar-te melhor. Que me tapariam os olhos para brincar às escondidas. 

Tenho saudades de tudo isso. Porque dizer apenas que sinto a falta disso tudo é, de certa forma, negar que exististe. Porque já sentia falta disso tudo antes de ti. Mas hoje, depois de teres existido, depois de 42 dias que foram breves e que ficam comigo, hoje tenho saudades. Do que não tivemos porque não pode ser, não era para ser. Do que nunca vamos ter. Porque tu estás no Mundo do lado de lá e eu preciso manter-me no Mundo do lado de cá. Mesmo que a linha entre a realidade e a loucura seja tão ténue, não posso esquecer-me que tenho que manter-me no Mundo do lado de cá. Onde continuas a existir. Mesmo que apenas eu te possa sentir. Mesmo que, por vezes, acabe por te confundir… 

Tenho saudades tuas. Tenho tantas saudades tuas……