{#página176} 

Sair da zona de conforto. Preciso. Mas não saio. Quero. Quero? Quero, mas até que ponto? É mais fácil não sair. Simplesmente deixar-me ficar por aqui. Um aqui melhor hoje do que há um ano, ou há 6 meses. Até mesmo 3 meses. A medicação ajuda, de facto. Ajuda a estar melhor. Não ajuda a sair da zona de conforto, no entanto.

Hei-de sair. Pode ser aos poucos? Procurar novas rotinas, reencontrar pessoas. Até mesmo encontrar pessoas novas, quem sabe? Não sei… Assusta-me. A ideia de sair da sombra, mostrar-me. Aos velhos amigos e conhecidos. Mas sobretudo a potenciais novos.

No fundo, o que me assusta sou eu mesma. E a minha interminável capacidade de fazer asneira e repetir os mesmos erros de sempre.

Um dia. Um dia respiro fundo e saio da zona de conforto. Mesmo sem saber como se dá o primeiro passo. E o segundo. E todos os seguintes. E se voltar a repetir os mesmos erros de sempre? Paciência… Talvez seja a única forma de ser o que sou.

{comentários}

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.