{#página192} 

Percebo agora que muito do que digo, muito do que escrevo são as vozes em meu lugar. 

Cada vez menos sei o que sou, quem sou. Percebo, apenas, que sou mais do que isto. Tenho que ser mais do que isto. Não posso ser apenas as vozes na minha cabeça, a ideação, a Depressão. Não posso ser apenas isto. 

Não sei como, as vozes enganam-me, não sei como permito que as vozes falem no meu lugar. Sei, apenas, que as julgava caladas. Ou, pelo menos, mais silenciosas. 

Riscos na pele. Para sentir. Para deixar de sentir. São as vozes que mo dizem. Deixar de sentir. Quando já questiono tudo o que sinto, tudo o que alguma vez senti. 

Prefiro não sentir mais. Prefiro não sentir mais para não voltar a dar lugar às vozes que me prometem riscos na pele. 

Riscos na pele. Recordações à flor da pele. 

Não quero mais. Não quero mais disto. 

{comentários}

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.