{#página297}

“Isso que acabou de dizer é um sinal enorme de quem está melhor.”

Mais centrada. Mais aqui e agora. De acordo com o diagnóstico, suspeito desde o segundo dia. De “PPB?” a simplesmente “PPB” sem interrogações.

Agora? Continuar o trabalho dos últimos 14 meses. Focada em sinais e na aprendizagem de como travar. Sei que voltarei a cair, mas hei-de aprender a não cair tão fundo e tão negro.

“Parabéns!”, terminou ela. Havemos de nos encontrar novamente daqui a 2 meses. Já com a certeza da redução dos “contentores”.

Um dia volto a caminhar sozinha, sem muletas. E se há um ano achava impossível hoje estar onde e como estou, hoje olho para trás e vejo o quanto já caminhei primeiro a dois e agora a três.

Não é fácil. Mas, dizem, dizem-me, somos muito mais fortes do que pensamos ser. E, olhando para trás, hoje tenho que concordar.

Agora? Olhar para a frente. É assustador mas tudo o que é desconhecido o é. Olho para a frente sem expectativas demasiado altas (faz parte da aprendizagem) mantendo-me sempre no aqui e agora.

E vou descobrindo o que houver para descobrir.

{comentários}