{#253.113.2019}

Dou por mim a visitar, demasiadas vezes, o mundo da fantasia. Uma espécie de mundo do faz de conta, mas que não é o mesmo de há uns anos.

Neste mundo da fantasia os meus desejos vão-se desenrolando ao sabor do que sinto, do que guardo cá dentro e que teimo em não partilhar. Sonho acordada, cabeça no ar, a saltaricar em bicos de pés como se fosse realidade o que sonho.

Esqueço-me, tantas vezes quantas visito o mundo da fantasia, que tudo o que sonho pode tornar-se real se eu revelar o que guardo comigo. Ou pode, pelo menos, fazer-me voltar a pôr os pés bem assentes na terra se as coisas não correrem como eu gostaria.

É bom visitar o mundo da fantasia. Porque me faz acreditar que sim, é possível. Mas faz-me mal manter-me por lá demasiado tempo. Porque corro o risco de ser totó a rodos e não ver o que está à minha frente.

Está na altura de ter uma conversa. De revelar o que guardo comigo. Não posso continuar a visitar o mundo da fantasia a toda a hora sem saber se não me irei magoar no mundo real.

Tenho medo do mundo real. E talvez seja por isso que me sinto tão bem no mundo da fantasia.

Mas é no mundo real que essa conversa tem que acontecer. É no mundo real que tenho que viver.

Até quando vou continuar a visitar o mundo da fantasia?

{comentários}

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.