Daily Archives: 12/06/2022

{#163.203.2022}

Domingo. E o peso da apatia. Sem capacidade de reacção. Sem conseguir, ainda, chorar. Nem a consulta desta manhã ajudou.

Simplesmente apática. Conversa de manhã e perceber que, como sempre, do outro lado está tudo bem como está sempre. E com a sensação de que, de acordo com o outro lado, eu não devia estar como estou.

Mas a verdade é que estou. Mal. Como não pensei ser possível. Mas é.

Para além do peso da apatia, da incapacidade de reacção, ainda a dor. Da perda. Porque é disso que se trata, uma perda. Do quê, não sei porque não havia nada para perder, mas é isso que sinto, como se tivesse perdido algo ou alguém muito importante.

Duas semanas depois e ainda não chorei. Sei que chorar não resolve nada, mas alivia este peso que se apoderou de mim. É a apatia instalada. É um bloqueio. E que tem que ser derrubado. Porque não reagir ao que sinto não me faz bem. Consome-me todos os dias mais um pouco.

Vou ter que reagir, mais dia menos dia. Mas quanto mais o tempo passa, mais medo tenho da minha reacção. Que vai ter que acontecer em casa, não com ele. Não perto dele. Não em frente a ele. Não pode. Já vai bastar ver e perceber (ou não) como estou.

Se vai ser fácil? Claro que não. Vou ter que fazer um esforço enorme para tentar passar a imagem de quem está melhor do que realmente está. Mas eu não sei fingir. E fingir emoções não sei mesmo.

Tenho um bloqueio emocional? Tenho. Daí continuar sem reagir para além da apatia, que também é uma reacção. Mas não estou a conseguir reagir de outra forma…

Amanhã, dia de trabalho. Vai ajudar a ocupar a cabeça. A passar o tempo até saber se terça feira acontece ou não. E já não sei se quero que aconteça ou não. Porque, lá está, tenho medo de como irei reagir.

Enfim…podia continuar aqui a noite toda a falar do peso da apatia, da dor, de tudo o que sinto. Não iria adiantar de nada. Porque eu não queria ter razões para escrever sobre nada disto. E era tão mais fácil de encaixar se o outro lado fosse um canalha…mas não é. E com boas pessoas, pessoas boas, eu não sei lidar quando me magoam. Porque é isso que estou: magoada. Triste. Doída. E magoada.

Amanhã? Logo se vê. Um dia de cada vez. Mesmo que haja quem ache que eu não tenho que estar no estado em que estou porque do outro lado está sempre tudo bem… Mas eu não sou assim e preciso de sentir tudo. Especialmente o que é mau para valorizar o que é bom. E foi bom durante tanto tempo. Até ao dia em que levei um murro no estômago.