Daily Archives: 17/09/2022

{#260.106.2022}

Sábado, aquele dia aborrecido da semana. E, já que me deram uma nega mesmo sem usar a palavra não para alterar os sábados, aproveito para repôr energias. Que estou a precisar, muito, de repôr. Sinto-me muito cansada, absolutamente esgotada. E fico sem perceber se é só um cansaço físico ou também emocional. Sei, sim, que quem mais além também viu que a minha vitalidade já viu melhores dias. E tenho que tratar disso rapidamente. Voltar a ir dormir muito cedo pode ajudar, especialmente naqueles dias de trabalho presencial em que acordo a horas impróprias e saio de casa ainda de noite. E chego a casa à hora de jantar e pouco tempo me resta para muito mais.

É curioso como hoje, pela primeira vez desde que falo num assunto que me é sensível, foi usada a palavra certa, que eu nunca verbalizei, para definir um relacionamento. Abusivo. Palavra certa que, por algum motivo, nunca achei que tivesse o direito de usar. Mas que define esse relacionamento que eu não posso terminar porque vai existir sempre.

Cansada. De relacionamentos, sejam eles abusivos ou não, mas que não me levam a lado nenhum. Ausências. Silêncios. Falta de noção. Desrespeito. Muito cansada disso tudo. E, talvez por isso, me isole mais um bocadinho. Afinal, se estiver sozinha, nada disso acontece e os outros não me magoam.

Não sou uma pessoa difícil. E não peço muito. Apenas peço que me aceitem como sou, que me respeitem, que não me magoem. Não, não é pedir muito, especialmente quando o que levam de mim é exactamente o que peço para mim.

Sei que há muito trabalho a fazer para me melhorar a mim mesma. Sei que há coisas que precisam de ser afinadas. E correctamente energizadas. Porque tudo é uma questão de energia. E, apesar de não ser uma pessoa difícil, a minha energia pode (e deve!) ser melhorada. Para atrair melhor.

Enfim. O trabalho ainda agora começou e eu ainda não engrenei completamente. Mas oiço o que me dizem e vejo os caminhos que me apontam. Agora, e ainda que por vezes não saiba como se faz, está na altura de começar a trabalhar. Em mim. De mim para mim. Os outros? Terão que esperar. E, quem não quiser esperar, pode seguir o seu caminho.

Primeiro estou eu. Só posso estar eu. Preciso de mim para estar, primeiro, para mim. E, quando estiver melhor, sei que vou começar a atrair melhor. Já não peço quantidade há muito tempo. Agora aprendo a pedir qualidade.

Sei da importância de estar bem. Sei, também, da importância das palavras. Mas não me posso esquecer da importância das acções. E tenho-me esquecido. Assim como, em acções, alguém que não usou a palavra não para me negar algo, se esqueceu do que foi falado.

Enfim… Há tanta coisa na minha cabeça neste momento. Talvez por estar cansada. Ou talvez por ir acumulando demasiada informação que provém de energias dispersas. Preciso de encontrar a vibração certa para começar a afastar-me, de vez, daquelas vibrações que me têm consumido e esgotado.

Mais uma vez digo para mim mesma: primeiro estou eu. Porque tenho que estar. Porque preciso de mim para mim.

Não serão 19 dias de silêncio e ausência que me vão deitar abaixo. Mas essa energia também não é o que me faz bem. Por isso, solto e deixo ir. Quieta e calada no meu canto. Se a minha ausência não é percebida, então a minha presença nunca foi apreciada. E, mais uma vez, quem quiser saber, pergunta.

Não, hoje não quero para mim essa vibração negativa de uma espera por algo que não vai acontecer. Amanhã? Logo se vê.

Agora recolho sem o aconchego que me acompanhou diariamente durante quase cinco anos. Faz-me falta. Mas não posso prender-me a uma âncora que não me permite avançar. E eu preciso avançar. Por mim. Para mim.

Amanhã será, ainda, dia de repôr energias. Depois? Logo se vê…