Author Archives: Kooka

About Kooka

Se perguntarem por mim, dir-vos-ei que não estou. Esta que vos fala é outra que não eu.

{#193.173.2019}

“Felizmente há mensagens.”

Sim. Felizmente há mensagens. E isso, parecendo pouco, é o suficiente.

“Pensamento positivo.”

Não fazes ideia do quão positivo é o pensamento. Por isso é que há mensagens. Por isso é que ainda há mensagens.

Mantenho que os pequenos nadas podem ser tanto mais do que apenas isso, nadas. São muito mais do que podia esperar até há pouco tempo.

Se quero mais? Claro que sim. Mas “felizmente há mensagens”.

{#192.174.2019}

Dar. E receber.

Dou. Mas também recebo. E hoje comecei o dia a receber.

Pequenos nadas, mais uma vez. Mas que me confortam. Que me preenchem o vazio dos dias sempre iguais.

Dou. Mas, pelos vistos, também recebo. E sorrio só porque sim.

{#191.175.2019}

4a feira, o dia que nem sim, nem não. Como tudo o resto neste momento: nem sim, nem não.

Não é negativo. Mas também não é muito positivo. É uma espécie de neutro. E se por vezes o neutro é bom, outras vezes queria mais.

Como agora.

Mas mantenho-me quieta no meu canto. Até ver.

{#190.176.2019}

Quieta no meu canto. E sossegada, à espera.

E percebo, mais uma vez, que ficar quieta no meu canto também traz resultados.

Mantenho o passo firme retraído. Quieta no meu canto.

{#189.177.2019}

Passos firmes também se retraem.

Não ando para trás, mas também não avanço. Fico, mais uma vez, quieta no meu canto.

Até ver…

(mesmo que me esteja a roer por dentro para não ficar quieta…mas não posso, não pode ser. Quieta é a melhor opção. Quieta é a única opção. Pelo menos por agora…)

{#187.179.2019}

Tento não olhar para trás no tempo. Há memórias que não quero reviver.

Tem sido mais fácil não olhar para trás. Tem sido mais fácil não reviver outros tempos.

Tenho estado mais serena. Mais tranquila.

Mas o caminho ainda não terminou.

{#186.180.2019}

Mantenho o passo firme. Custe o que custar. E às vezes custa. Mas ainda assim mantenho o passo firme.

Não volto para trás porque esse não é o meu caminho. Nem tenho vontade disso, na verdade. Mas por vezes parece que o caminho em frente está de alguma forma fechado.

Não está. Simplesmente é desconhecido, simplesmente está ainda por explorar. Mas por vezes parece-me que é um caminho vedado, sem rumo, sem destino. Mas vou manter o passo firme e acreditar que tudo vai correr bem.

Vai. Vai correr tudo bem e vai correr como eu quero. Só falta a coragem para dar só mais um passo para deixar de ser totó. Antes que seja tarde demais.

Porque o que não depende só de mim pode fugir-me a qualquer momento e isso não sei se iria aguentar. Por isso tenho que dar esse passo em frente o mais breve possível.

Mas sempre firme e segura.

{#185.181.2019}

Há dias em que não há nada a declarar.

Como hoje. Que não houve quebras de rotina, apenas mais um dia igual aos outros.

{#184.182.2019}

Às vezes esqueço-me que há sítios bonitos tão perto. Até que um dia vou até lá e esqueço-me do dia que foi aborrecido até lá chegar.

{#183.183.2019}

Dias que passam a correr incomodam quase tanto quanto dias que passam devagar. Apenas porque correm sem razão e sem destino. Pelo menos agora é assim que se passam os dias. Fogem-me sem sentido quando o que eu queria mesmo era que corressem preenchidos.

Ainda não foi hoje que se quebrou novamente a rotina. Nem nada o fazia prever. Mas só com quebras de rotina é que eu entendo que os dias corram.

Amanhã logo se vê a que velocidade se vai passar o dia. Não quero que se alongue sem pressas, mas também não quero que me fuja.

E a quebra de rotina há-de surgir noutro dia qualquer. Só não acredito que seja amanhã.

{#182.184.2019}

“Às vezes parece que é o Universo a compensar”…

Sim. Às vezes parece que é o Universo a alinhar-se para compensar momentos menos bons. Só é preciso que eu própria colabore com o Universo, porque sozinho não faz milagres.

Mas gosto de pensar que sim, parece que o Universo sabe o que faz e trouxe-me algo de bom para compensar o resto.

Só falta agora ganhar coragem e deixar de ser totó.

{#179.187.2019}

Cruzo-me, de vez em quando, com coisas que fui escrevendo por aqui. E penso, tantas vezes, que já não sei escrever assim.

Tenho saudades de escrever como escrevia. Mas não tenho saudades do estado em que estava quando escrevia assim.

Prefiro, portanto, manter este registo, quase pobre, de escrita mediana de quem até nem está de muito mal com a vida. Porque na verdade não estou mesmo de mal com a vida ou com o mundo como estive em tempos não tão longínquos quanto isso. Estou tranquila, serena. Mesmo sabendo que a vida é perita em pregar partidas quando menos se espera ou até mesmo quando já se espera alguma coisa menos boa.

Há que continuar, mesmo assim, a manter a tranquilidade. Tudo se resolve de alguma forma. E não vale a pena não sorrir aos dias menos maus que me têm acompanhado. Porque menos maus é melhor que maus e esses dias maus já vão longe.

Agora é manter a vontade de estar bem com tudo, sorrir e acenar.

O que tiver que ser, será. E tudo se resolve de alguma forma.

{#178.188.2019}

Cansada. De nada e de tudo. Um bocadinho sem paciência para coisas que não valem a pena.

Cansada. A precisar de férias que estão quase a chegar mas que ainda tardam.

Cansada. Apenas isso. Apenas cansada. Amanhã vai ser melhor.

{#177.189.2019}

Corporate fortune cookies. Só mesmo para me relembrar que é sempre casa-trabalho, trabalho-casa.

Não pode ser só casa-trabalho, trabalho-casa. Mas é.

Que venham mais esplanadas ao fim do dia, mais jantares prometidos e não esquecidos, mesmo que seja a meio da semana. Que venham mais programas fora da rotina que até podem tornar-se novas rotinas.

Não pode ser só casa-trabalho, trabalho-casa.

Mas é. Até nas fortune cookies.

Damn!

{#176.190.2019}

Mais um dia atrás do outro atrás do um. Mais uma vez a certeza de que sei o que quero: deixar de ser totó.

Só não sei como se faz…