Author Archives: Kooka

About Kooka

Se perguntarem por mim, dir-vos-ei que não estou. Esta que vos fala é outra que não eu.

{#317.49.2019}

Novamente em modo conversas telegráficas. Não gosto. Mereço mais. Mas é só o que há por agora.

Vamos ver se nos próximos dias há melhorias e, quem sabe, a oportunidade de dar o passo que quero dar. E preciso de o fazer. Rapidamente.

{#316.50.2019}

O mundo não é um lugar feio. Não é. Mas há pessoas, pequeninas na sua condição de ser [pouco] humano, que o tornam desconfortável.

Estou cansada de pessoínhas. E do desconforto que provocam.

{#315.51.2019}

Pensamos muitas vezes que o Tempo passa a correr.

Mas não fazemos nada para o aproveitar melhor.

Pois não?

Continuo a dizer que não tenho tempo para perder Tempo. Mas na verdade não faço outra coisa se não perdê-lo. E não gosto disso.

{#314.52.2019}

Domingo com sabor a domingo, mais um.

Tenho saudades de domingos mais mexidos. Mas continuo sossegada a procurar o calor das mantas neste Outono que começa a lembrar Inverno.

{#313.53.2019}

Noite com sonhos estranhos relembram-me que tudo pode mudar de um momento para o outro.

6 anos depois relembro, também, que sim, tudo pode de facto mudar de um momento para o outro.

Um dia os outros somos nós. E ainda hoje, apesar de estar em paz, não entendo como foi possível acontecer o que aconteceu.

{#312.54.2019}

Há silêncios que me deixam desconfortável.

É nesses silêncios que a minha insegurança fala mais alto.

{#311.55.2019}

É possível crescer na adversidade. É nos dias mais difíceis que se supera o que se julgava insuportável.

Não me posso esquecer. Tem sido assim que tenho crescido, mas por vezes esqueço-me.

Não procuro dias difíceis, não os quero de volta. Até porque tenho medo de não ter forças para os aguentar novamente.

Resta-me acreditar que vai correr tudo bem. E que se não correr não estarei sozinha.

Vou dar um novo passo em frente. Vamos ver como corre.

{#310.56.2019}

A memória de calendário diz-me que nos próximos dias há eventos que se repetem.

É uma boa altura para dar um novo passo em frente para alcançar o que desejo.

Isso ou desistir de vez. Mas desistir nunca foi opção.

{#308.58.2019}

Parar de pensar em ti é sempre o mais difícil. Quando tudo o que quero é poder estar ao teu lado de mãos dadas e a seguir caminho.

Contigo.

{#304.62.2019}

Não sei porque insisto em vir aqui todas as noites para escrever alguma coisa. Sei, sim, que se não vier vou-lhe sentir a falta, como se estivesse a falhar um compromisso qualquer importante. Compromisso esse que assumi, de facto, comigo mesma há mais de 5 anos quando me era urgente debitar palavras no éter.

São já mais de 2000 publicações. 2010 para ser exacta. Muitas delas, de outros tempos, muito intensas, cheias de significado, carregadas de dores de crescimento. Outras, mais recentes, praticamente vazias de conteúdo. Mas que me confortam por saber que posso vir aqui deixar coisas leves também.

Não sei até quando continuarei a vir aqui fechar o dia. Não me vejo a fechar esta porta. Mas pergunto-me, tantas vezes, se continua a fazer sentido.

Para mim, sim, ainda faz sentido. E é para mim que escrevo desde o primeiro dia por isso é normal que continue a voltar cá todas as noites. Mas venho aqui para dizer o quê quando nada acontece lá fora que me faça debitar no éter palavras cheias?

Anda tudo tão vazio… Talvez seja também isso que me mantém aqui. Numa tentativa de preencher esse vazio com alguma coisa que não sei o quê.

Enfim… Mantenho o post diário. Até um dia que não sei quando.

{#301.65.2019}

Percebi hoje que preciso de luz mais do que pensava…

…devia ser proibido sair do trabalho já de noite.

Vão ser longos os próximos meses…

{#300.66.2019}

Neste dia há 2 anos escrevia algo como “adolescente aos 40”. Esse dia, ou parte dele, ficou na memória por bons motivos.

Hoje, 2 anos depois, continuo a ser adolescente e a querer, todos os dias, um bocadinho mais daquilo que ganhei naquele dia.

Talvez um dia…

{#298.68.2019}

A preparar-me para os dias mais curtos.

Quem é que eu quero enganar? Não estou preparada para isso. Não mesmo. Nada preparada. E isso não é bom.