Author Archives: Kooka

About Kooka

Se perguntarem por mim, dir-vos-ei que não estou. Esta que vos fala é outra que não eu.

{#31.335.2019}

A contar os dias……… E borboletas na barriga e um risinho nervoso. Bom.

{#30.336.2019}

Janeiro a chegar ao fim e uma vontade grande de passar já para a semana que vem e que ainda está longe…

{#29.337.2019}

E no finalzinho antes de ir para a cama agarra-me pelas mãos e diz-me “Adoro-te!” e eu, claro, derreto ali.

Está um crescido. E continua um tretas. Mesmo quando expressa o que sente pela tia.

{#28.338.2019}

Pensar na perda e falar sobre ela. Real e potencial. Para saber lidar com.

Não quero. Mas preciso. Porque tenho medo da perda.

Custa imaginar alguns cenários potenciais que sabemos que um dia serão reais. Mas que venham tarde no tempo, é só o que peço.

{#25.341.2019}

Tenho-me esquecido que o cor de rosa está sempre presente… Talvez se me focar nele novamente a Primavera chegue mais depressa.

{#24.342.2019}

As papoilas de Janeiro. Só me faltam as azedas para ter a certeza que o frio não dura para sempre e a Primavera está já ao virar da esquina.

Falta muito para passarem 2 meses?

{#23.343.2019}

Pequenos nadas que me fazem bem: regressar a casa ainda de dia.

{#22.344.2019}

Quem programou os fins de semana para terem apenas 2 dias não sabia o que andava a fazer. Talvez por isso agora haja falta de fins de semana. Eu também dou pela sua falta.

E depois rio-me de conversas assim. Que podiam ser tontas mas não são. São apenas conversas em tempos que não são completamente mortos mas são o que me são possível durante a tarde.

Enfim. Mais uma vez em que não escrevo nada de jeito. Mas rio-me também por isso, porque só eu me cobro a qualidade (ou falta dela…) do que insisto em continuar a escrever diariamente. Sem saber muito bem porquê, porque já não preciso de exorcizar demónios. Vou escrevendo só porque sim e também porque posso. E ainda porque muitas vezes me faz pensar e reflectir sobre muita coisa mesmo que depois não o ponha por escrito.

Um dia deixo de escrever. Mas não tão cedo. Não enquanto me continuar a fazer sentido escrever.

{#21.345.2019}

Das coisas boas que Janeiro traz: os dias já estão maiores.

Sair do trabalho ainda de dia. É tão bom.

Juntamente com as papoilas com que me cruzo todas as manhãs, isto é o suficiente para me fazer dar pequenos pulinhos de contente. E relembra-me que o Inverno não dura para sempre.

Faltam 2 meses para a Primavera. Parece muito tempo, mas vai passar a correr. E vai trazer, esse tempo, muita coisa boa só porque sim e porque acredito que vai. Porque acredito que até o frio pode trazer coisas boas.

Mas o que importa agora é isto: os dias já estão mais compridos. E há papoilas em Janeiro.

{#19.347.2019}

Dia de descanso, depois de uma semana de trabalho longa. Com chuva lá fora, tranquila cá dentro.

Amanhã? Logo se vê.

Por agora é só isto: descanso.

{#18.348.2019}

Pequenos passos para a mudança, mais um hoje.

Para mudar que seja para melhor.

{#17.349.2019}

Os dias estão azuis. Mas é o frio que se faz mais presente.

Se ao menos soubesses que te quero fazer sorrir………

{#16.350.2019}

Sem vontade de dizer muito… Falta muito para a próxima semana? E para a Primavera?

Ambas as alturas correspondem a pontos de calor que me fazem desejar que cheguem depressa. Já disse que estou cansada do frio? Pois…

{#15.351.2019}

Dia de pequenas conquistas. Mas será só quando o frio abrandar que vou conseguir abraçar o novo objectivo com mais ânimo. Cada vez tenho menos tolerância ao frio. Ou então é o frio que está cada vez pior. Não sei. Não interessa. Não é demasiado importante. Mas condiciona-me até nos horários e nas vontades. Deito-me cedo só para estar mais quente. Não saio para ver quem espera por um café só para não enfrentar o frio. Não pode ser……

Ainda assim vou conquistando pequenos triunfos, resultado de 2 anos de trabalho, 2 anos complicados, um deles pesado com pipocas na cabeça e que ainda hoje não sei como consegui conciliar com o trabalho.

Vamos em frente. Trabalho com ou sem frio. Pequenas conquistas. Muitas vontades e rotinas mexidas. É uma confusão o que para aqui vai. Mas é o que consigo neste momento.

E depois há todo um outro ponto de interesse: tu. Deixa passar o frio de gelo… Não me fujas entretanto. Não me és indiferente e ainda não o sabes. Mas vais saber assim que eu ganhar coragem.

Agora aqueço o corpo. A alma, essa, está aconchegada apesar do desconforto do corpo. Por hoje já chega. Chega de confusão de quem quer dizer tanto e não diz nada de jeito.

Até amanhã. Quando me cruzar novamente com o que me recorda que o frio não dura para sempre: as papoilas de Janeiro.