Category Archives: {#100happydays #5thround}

#day480

Não, nem todos os dias o Sol brilha. Ou, mesmo que apareça tímido, nem sempre aquece, nem sempre aconchega.
Ou, até, não aparece tanto tempo como se gostaria. Tempo suficiente para iluminar, aquecer, aconchegar.

Como hoje.

Mas basta acreditar que ele está lá, mesmo que escondido tímido por trás das nuvens, para saber que o calor acabará por voltar. Assim como a luz. E o aconchego.

O brilho, esse, procura-se em locais encantados, de magia, de histórias de príncipes e princesas e fadas madrinhas. E encontra-se sempre, desde que se acredite.

E eu quero continuar a acreditar nesse brilho, mesmo que o Sol se esconda tímido para lá das nuvens.

Não, hoje não foi um dia bom. Não foi mau, também. Foi apenas frio. E cansado.

E continuo sem Tempo.

image

#day479

Fairy Godmother: At the last stroke of midnight, the spell will be broken.

Cinderella: Midnight?

Fairy Godmother: Midnight.

Cinderella: That’s more than enough time!”

Fadas e pozinhos de perlimpim, gnomos e feiticeiros.

Abrir as asas e voar. Céu Azul, imenso, intenso.

Viver a magia até à décima segunda badalada que marca a meia noite. Porque, à meia noite, tudo volta ao normal.

…e até à meia noite é mais do que Tempo suficiente.

image

#day478

Dias sem histórias não significam dias sem História.

Não foi só trabalho, tendo sido apenas isso.

Cansada. Mas aconchegada. Tranquila. Certa.

Mais um dia de todos os dias que são os meus dias. Um dia atrás do outro atrás do um. E o que é, é de facto. O que for, será o que tiver que ser.

image

#day477

A medida dos dias. Mais curtos, mais longos, mais rápidos ou eternos.
Um dia atrás do outro atrás do um, claro. Sempre. Mas já sem pressa de sobrevivência. Sem pressa de alcançar o que já trago comigo. Em mim.

Sem Tempo para perder Tempo, sempre. Mas sem pressa de fazer planos que, já sei há tanto tempo, não vale a pena fazer. Porque “life is what happens when you’re busy making other plans”. E por isso não os faço. Os planos. Deixo fluir. Deixo ser. E agarro cada segundo como uma oportunidade única que não pode ser desperdiçada.

Não faço planos, mas traço objectivos. E se há um ano o objectivo era sobreviver, hoje o objectivo é Viver. E sorrir. Muito. O Tempo de chorar já lá vai. Sei que foi necessário para hoje saber sorrir. Mas já ficou para trás. Mesmo que lá à frente me espere novamente um Tempo de chorar. São ciclos, fazem parte. Mas sei que dependendo de mim, do Eu que sou hoje, o meu melhor lado é o sorriso.

Não faço planos, mas traço vontades. E a vontade hoje é aproveitar cada um dos dias que 2015 ainda me reserva. Cada um dos dias que ainda são meus, são do e o Meu Tempo. 2016 traz um dia extra mas já promete pouco Tempo para perder Tempo. E é também por isso que quero Viver cada um dos dias em que ainda dou dona do meu Tempo.

Novo ciclo que se aproxima. Com incertezas e outras tantas certezas. Não me assustam, no entanto, as incertezas. Assustam-me um bocadinho mais as certezas que, como os planos, por vezes não são tão certas assim. Mas não me assusta o calendário, que traz um dia extra, e que ainda não começou a ser contado e já está tão marcado.

Quero o Agora. Que é Aqui. Cada segundo que ainda me pertence enquanto dona do meu Tempo que não tenho Tempo para perder Tempo. Este Tempo que é meu por poder dizer sim, por poder dizer quero, por poder dizer vou, por poder dizer estou, por poder dizer sou. Poderei dizê-lo sempre. Mas o calendário que ainda não começou a ser contado diz-me já que nem sempre poderei dizer vou, ainda que aceite, que queira, que esteja mesmo não estando, que seja mesmo não sendo.

E nada disto me assusta, nada disto me enfraquece, nada disto me dói. Porque a medida dos dias será aquela que for, que tiver que ser, se tiver que ser. E o calendário que ainda não começou a ser contado e já está tão marcado também me diz que vou continuar sem Tempo para perder Tempo.

image

#day476

Descansar de manhã, regressar ao trabalho à tarde.
Aconchego.
Calor.
Sorriso.
Certezas.
Histórias ao ouvido.

Dia tranquilo.
Eu tranquila.

Tão bom.

image

#day475

Ser árvore. É ser forte, para mim, por mim, para os outros, pelos outros.
É ter ramos que se estendem quando são necessários. Estão lá, sempre. Como estiveram hoje novamente, como estiveram ontem, como estarão quando forem necessários.

Mas também as árvores precisam, tantas vezes, de apoios quando começam a vergar com o peso dos próprios ramos. Quando só as raízes e a força que trazem em si não são já suficientes.

Tantas vezes que deixei de ver esse apoio. Via, mas não entendia. Hoje vi, entendi, aceitei e sorri, ainda que não tenha sorrido em escadinhas. Mas alcancei, ainda assim, o patamar do sorriso. Um abraço retribuído, uma visita inesperada ainda que quase fugaz, um toque firme. O suficiente para alcançar novamente o patamar do sorriso, mesmo não tendo sorrido em escadinhas.

O frio. Tanto. O cansaço após uma noite pouco dormida que me soube por uma noite inteira. Porque a senti assim. As árvores do Jardim, em particular a minha árvore.

Perceber que, de facto, a História se repete. Como as histórias. Com diferentes personagens porque o livro é já outro. E este livro, esta história, tão melhor que o livro anterior.

Perceber, também, que tudo tem um prazo. Esperado ou não, delineado ou não, ele está lá. Sempre. E o que fazer quando existe um prazo delineado? Deixar o Tempo passar até lá chegar sabendo que o que vem depois é tão diferente? Ou viver, Viver, esse Tempo sem ter Tempo para perder Tempo? Opto por Vivê-lo. O que vier depois é tão demasiado incerto. E eu estou Viva. E opto por Viver esse Tempo sem ter Tempo para perder Tempo.

Este Tempo é meu. Irei Vivê-lo. Contando os dias até ao #day500, daqui a 25 dias.

O que for Tempo depois desse Tempo, será.

image

#day474

“Em fim de semana de feira não estou para ninguém. Nem para outros planos que não trabalho.” digo sempre.

Até que um dia me apetece quebrar as regras. Porque “uma coisa em forma de assim” me devolve ao Bairro Alto num sábado à noite. E há quantos anos não vinha ao Bairro?

image

#day473

O dia hoje é teu, Carla. Teu e das lições que nos ensinaste. De Amor, de luta, de força, de coragem. Mãe Coragem, Mulher Guerreira. Sempre te chamei assim e será assim que te vou guardar.
O teu sorriso. De luz e amor. A tua generosidade. O teu tamanho imenso.

Nunca te disse, mas de todas as vezes em que te vi existia brilho à tua volta. Luz. Dizem que pessoas que brilham são especiais. E tu és. Não uso o passado porque as pessoas especiais nunca deixam de o ser mesmo quando deixamos de as ver. De as ouvir. Quando deixamos de poder tocar-lhes.

As pessoas que brilham, como tu, que têm luz própria mesmo que durante momentos de escuridão como tu tiveste, nunca deixam de ser especiais.

Descansa agora. E voa com asas de borboleta. Ou de passarinho azul! A recordar que foi através do passarinho azul reduzida a 140 caracteres que chegaste e tocaste tanta gente.

O teu sorriso, Carla, vou guardá-lo comigo sempre. O teu carinho. A tua garra. A tua força!

Hoje o dia é teu, Carla. O dia em que todos empobrecemos por nos teres deixado deste lado. Mas sei, sabes também, que desse lado vais continuar a tocar tanta gente com o teu sorriso de menina, o teu sorriso que agora é de Luz.

Obrigada por nos termos cruzado. E obrigada por tudo o que nos ensinaste. E obrigada pelo teu Amor.

……e é em dias como o de hoje que reforço que não tenho Tempo para perder Tempo. Porque há coisas que de tão pequeninas são insignificantes quando o que realmente importa é o Amor. É Viver todos os dias como se fosse o último. Porque o que ficou para trás já foi, e amanhã…amanhã quem sabe se sequer lá chego?

Até qualquer dia, Carla. E obrigada.

image

#day472

De manhã, turista em Lisboa. Sol. Lua também, que ainda lá estava quando cheguei. Calor. Lá fora e cá dentro. Sorriso. Saltaricar e cantarolar.

De tarde, Kooka Patroa a orientar Kooka Costureira. O Natal está quase aí, há muito trabalho a fazer e pouco tempo disponível.

O Gaspar. O gato que não era meu, mas eu era dele.

O Azul.

O ano a chegar ao fim. Faltam 28 dias. E poucos dias depois desses 28 há novos ciclos a começar. Novos desafios.

Até lá, não tenho Tempo para perder Tempo. E mesmo por isso aproveito cada um desses 28 dias com toda a energia que trago comigo: Cor de Rosa. Porque este Tempo é o meu Tempo.

image

#day471

Lá fora os dias estão mais frios. Cá dentro vão ficando cada vez mais aconchegados.
As noites do relógio mais longas. As minhas tranquilas.

Dias de Sol. E Lua. E sempre que as nuvens apareçam e com elas tragam sombra escolho colorir os meus dias. Porque as nuvens, essas, são apenas passageiras. A cor é permanente.

image

#day470

Cansada, mas um cansaço diferente. Bom. Cansada de andar, tanto como há muito tempo não andava. Moída mas aconchegada. Às vezes estar sem carro pode ser bom. E hoje soube muito bem. Não ter horas, não ter pressa.

Hoje o oposto de ontem. Em tudo. Ontem a enxurrada de palavras sentidas e doridas. Hoje novamente a minha paz, a minha tranquilidade, o sorriso hoje onde ontem havia lágrimas. É preciso chorar às vezes. Deitar tudo cá para fora. Cair. E voltar a levantar-me. Porque já não sei ser de outra forma.

A cor, prefiro-a ao cinzento. A luz, prefiro-a à sombra. O sorriso, prefiro-o às lágrimas. A partilha, prefiro-a à desconversa.

Agora o merecido descanso depois de um dia longo. Mas bom.

image

#day469

O que fica de hoje? Mais uma vez a confirmação que a estabilidade é, ainda, frágil.
Que doentio é insistir em fazer de conta. Insistir em que se faça de conta.
Que há feridas ainda demasiado abertas e gavetas que não se devem abrir de rompante, ainda que o que leva a essa abertura seja outro assunto qualquer, quase banal.

Continuo a contar os dias. Continuarei a fazê-lo enquanto me for necessário. Porque doentio não é contar os dias. Doentio é insistir em continuar a fazer de conta.

Conversas no éter que deviam ser frente a frente, cara a cara. Porque no éter perde-se tanta coisa. Perde-se, no fundo, a conversa e desentende-se a desconversa.

Tempo. Tenho direito ao Tempo que for preciso até chegar aquele dia em que falar, mesmo que não falando directa e abertamente, no éter ou cara a cara, até chegar aquele dia em que falar já não traz as lágrimas que caem sem aviso. Tenho direito à minha contagem de Tempo. Porque preciso de confirmar, comigo, que a distância aumenta e que o número de dias bons é cada vez maior em relação aos outros, os menos bons e especialmente os maus.

Continuarei a contar o Tempo. O Meu Tempo. Do Meu percurso. Sozinha. Porque é sozinha que o percorro. Porque foi sozinha que percorri estes 469 dias. De pura sobrevivência. E foi sozinha que sobrevivi, mesmo que me tenham dito que não estaria sozinha.

Do dia de hoje fica este furacão de emoções à flor da pele novamente. Que não quero. E que não preciso.

Mas fica também a certeza que, apesar da carga cinzenta deste dia, mantenho a cor em mim. Porque já não sei ser de outro modo: cor de rosa.

image

#day468

Domingo quase, quase, quase com sabor a Domingo.

Tanto trabalho para fazer, pouco trabalho feito tirando uns rabiscos em atraso.

E perceber que a habituação é tramada e provoca síndrome de abstinência quando aquilo a que nos habituámos não pode estar presente. Mas, ainda assim, tranquila. Porque segura. Porque sim. Porque sorrio.

image

#day467

Cansada. Ainda. Começo a repetir-me, mas a verdade é que estou cansada. E a contar os dias que faltam até dia 21: 23. Ou 22 se pensar em dia 20 a esta hora, quando o trabalho da época estará terminado.

Cansada mas tranquila. Também começo a repetir-me neste ponto. Mas é mesmo assim.

Hoje não me apetece escrever. Apenas por causa do sono. Porque os dias são às cores e só isso é tão bom.

image

#day466

Dos regressos. A sítios com História e com histórias.

Regressar a Torres Vedras para mais um mercado de Natal. De ano para ano é uma espécie de regresso a casa. Uma casa temporária, é certo, mas uma casa. Onde nos recebem sempre com um sorriso ainda que nos vejamos apenas uma vez por ano. Onde nos recebem, desde o primeiro dia, com os braços abertos.

Regressar, também, ao sítio onde se nasceu. Onde se passou a infância a correr pelos corredores de película, onde se brincou com médicos e enfermeiros, onde se cresceu ao ritmo das árvores da quinta. Regressar a onde já não se é, mas onde ainda se pertence. E onde, novamente, de alguma forma se volta a pertencer.

E se o regresso a Torres é sempre esperado, planeado, programado, natural, o outro regresso é inesperado, não programado, mas ainda assim tão natural. E tão estranho. Não pelo que é, mas por ser onde é. Como se desde sempre tivesse que ser ali. Como se ali tivesse escrito, há muito tempo, noutro tempo, um bilhete postal. Escrito não sei onde mesmo sendo ali, não sei quando mesmo não tendo sido agora, mas que chegou, finalmente, ao destino.

E parecendo tão estranho, como que uma espécie de linhas cruzadas de outros tempos, é-me tão certo.

E se em Torres tenho uma espécie de casa temporária, ali tenho raízes. E sim, faz sentido. Faz sentir. Tanto sentido. Tanto sentir. Porque ali não estou. Ali sou. Eu. Por inteiro.

image

#day465

Costumo dizer que quando for grande quero ser uma árvore.

Fascinam-me as árvores. A forma como crescem, sem pressa. A forma como dão abrigo. A forma como observam o que as rodeia. A forma como criam oxigénio.

Fascinam-me as árvores e a sua capacidade de resistência aos elementos. Como se moldam aos ventos dominantes nunca deixando de ser árvores. Como se vergam às tempestades sem quebrar. Como resistem às inundações. Como crescem em direcção à luz do Sol. Como, mesmo com ramos arrancados à força de vento, sobrevivem e se renovam e se fortalecem e continuam o seu crescimento.

Costumo dizer que quando for grande quero ser uma árvore. Ontem à noite, em conversa de cores, percebi que já o sou.

image

#day464

Cansada. Muito cansada. Tão cansada. Demasiado cansada.
Cansada ao ponto de estar cansada de estar cansada.

Falta um mês para o Natal, dizem. E, pela primeira vez em muito tempo, tanto que não me lembro quanto, este ano apetece-me ter árvore de Natal. Mais ou menos tradicional, mais ou menos normal, mais ou menos ao meu jeito e ao meu gosto e à minha vontade, não importa. Importa, sim, que começo a ter vontade daquilo que há um ano tanto dizia que não queria: a magia do Natal. Ou o Natal como eu o vejo e o sinto, não necessariamente igual ao Natal dos outros.

Cansada. Novamente cansada. Novamente sem dar pela velocidade a que os dias correm. Sejam dias tranquilos de trabalho, sejam dias apressados de entregas e urgências inesperadas que enrolam as horas e desenrolam ainda mais cansaço.

Os dias cada vez mais curtos, as noites cada vez mais longas. E dentro de 26 dias o ciclo volta a inverter-se.

O frio que vai regressando, que se vai instalando. Está na altura, dizem. Está, concordo. E desta vez sei que vou sobreviver ao Inverno. Porque sobrevivi ao último e o próximo não será pior. Será, sim, melhor. Porque tranquila. Eu.

Cansada. Muito cansada. Tão cansada. Demasiado cansada.
Cansada ao ponto de estar cansada de estar cansada.

Mas tranquila.

image

#day463

A que velocidade correm os dias?

Correm sem pressa. Porque posso não ter Tempo para perder Tempo, mas também não tenho Tempo para ter pressa do Tempo certo.

E isso é tão bom.

image

#day462

Tanta coisa a acontecer num tão curto espaço de tempo. Coisas boas. Muito e muitas.

Assusta-me, claro. Habituada a perder, demasiado habituada a coisas menos boas. Praticamente três anos nesse registo. E, de repente, tudo muda. Assusta-me. Claro que sim.

Mas nem por isso me escondo. Nem por isso deixo de pensar que é tão bom quando as coisas mudam. Sei, claro, que podem voltar a mudar a qualquer momento. Mas, por agora, mantenho o foco: aqui e agora.

Que continue a mudança. No mesmo registo de agora, aqui. Um dia atrás do outro atrás do um. E sorrio. E agradeço. E volto a sorrir. Porque agora é tempo dos dias azuis, de luz, de magia. De tanta coisa boa a acontecer num tão curto espaço de tempo.

E, como sempre, eu não tenho Tempo para perder Tempo. E sou tão grata por isso. Por tudo.

image

#day461

Dia sem muitas histórias mas não dia em branco. De volta ao trabalho, devagar, sem pressa apesar dos prazos. Cor. No trabalho e fora dele.
Mimos em jeito de música. Em jeito de palavras. Em jeito de fusão.

Sou uma sortuda. Abençoada, talvez. Por ter tanta gente bonita à volta.

É impossível não olhar para trás, para este mesmo dia no ano passado, e não fazer comparações. Chovia. Muito. Choveu todo o fim de semana. Fim de semana que, desde o primeiro instante, foi acompanhado por aquela vozinha que me dizia “não…” e que eu insisti, uma vez mais, em contrariar. Quantas vezes, logo desde o primeiro impacto, do primeiro aviso, tive vontade de voltar para trás?
Deixei-me ir. Carência pura, sei-o hoje. Querer acreditar à força em algo que sempre soube não ser real. Um turbilhão de emoções ainda recentes e por acalmar. Uma busca por raízes que nunca se criaram porque simplesmente não existia como.

Os sinais, meus e não meus, estavam lá. Todos. Desde exactamente o primeiro momento. Vi-os, claro. Mas recusei-os. Todos. Acreditei que era exactamente aquilo que procurava. Que merecia. Porque, dizia a mim mesma, já merecia.

Um ano passou desde aquele fim de semana que foi tudo menos normal. Um ano passou em que caminhando, tropeçando, caindo, reerguendo-me aprendi e cresci e acalmei emoções.

Aprendi que não adianta procurar. Nada. Tudo o que precisamos, o que merecemos, acaba por nos encontrar. Na hora certa. No momento certo. No Tempo certo. Na medida certa.

Cresci à força. Com dores de crescimento como é natural, embora com dores mais ou menos naturais. Não. Naturais todas elas, todas as dores. Cresci, mas sem perder a capacidade de continuar a acreditar em fadas, magia e pozinhos de perlimpim.

Acalmei emoções. Tantas vezes repeti “estou em paz”, não estando. Tantas vezes acreditei que sim, que estava, mas as noites em branco e os olhos molhados e o nó na garganta e o aperto no peito e o frio no estômago gritavam-me o contrário. Recusei sempre ouvi-los e repetia insistentemente “estou em paz”.
Hoje já não o digo nem repito até à exaustão. Hoje oiço dizerem “és tão tranquila”. E sou. Ou estou. Ou…
Ser e estar são posições diferentes. No entanto assumo ambas.

Não tenho pressa. Aceito o Tempo que não tenho Tempo para perder Tempo e todo o Tempo que vou ganhando e vivendo e sentindo.

Encontro, ou encontra-me, ou encontramo-nos, não sei, o que já tinha desistido de procurar. Porque não vale a pena procurar. Nada. Tudo o que precisamos, o que merecemos, acaba por nos encontrar.

Não tenho pressa. O Tempo é este. Certo. Na hora certa. E não há um ano, naquele fim de semana de chuva constante que podia ter sido tão diferente se simplesmente tivesse ouvido aquela vozinha que me dizia “não…”

Se sou a mesma de há um ano? Um furacão de emoções à flor da pele, dúvidas, inseguranças e pura carência? Não. E ainda bem. Porque aprendi a construir e manter esta tranquilidade que trago comigo e que partilho no Tempo certo com quem a sente comigo, em mim.

Um dia sem histórias, hoje. Mas longe de ser um dia em branco. Cores, muitas, em fusão de arco-íris e nuvens de algodão e bruma numa Terra de cor, de magia. E longe, tão longe, do cinzento escuro de há um ano. E é tão bom ser Tempo do Tempo certo. Ser hoje.

image