{#64.302.2019}

Não digo nada quando quero dizer tudo. Vou andando devagar, pé ante pé, apalpando terreno.

Um dia encho-me de coragem e deixo de ser totó. Até lá vou sendo igual a mim mesma e vou seguindo no meu jeito totó.

{#62.304.2019}

Gosto de ti. Já o tinha dito hoje? Já. Mas tu não ouviste.

{#61.305.2019}

Fazer acontecer é bom. Novamente.

De resto, sou só totó. Outra vez. Tenho que deixar de o ser. Rapidamente.

{#60.306.2019}

Mais um passo no caminho para a mudança. Ainda falta um bocado grande, mas vai valer a pena.

E já é Março. O meu mês de eleição. Já falta tão pouco para a Primavera. E as borboletas por cá continuam.

Venham as mudanças todas. Para melhor. São sempre bem vindas.

{#59.307.2019}

Não me canso. Das borboletas.

Falta muito novamente ou quase lá? Quase lá. Mas e depois…? Quando novamente? Não sei. Só sei que as borboletas cá estão. Sempre.

{#58.308.2019}

Olhar para baixo também é preciso. Para perceber que mantenho os pés bem assentes no chão, especialmente quando a cabeça anda no ar impulsionada pelas borboletas na barriga que se fazem presentes a todo o momento.

E também porque, olhando para baixo, se encontram imagens bonitas e coisas boas.

Sim, olhar para baixo também é preciso. Mas já não deixo os olhos perderem-se a olhar para o chão.

{#57.309.2019}

A melhor prenda que te posso dar, Mãe, é estar bem. E estou.

Parabéns. E obrigada mais uma vez.

{#56.310.2019}

Canto da página dobrada. Para não me esquecer. Que não esqueço.

{#55.311.2019}

Primavera em Fevereiro. E o cheiro a flores.

Vamos sobreviver a mais um mês de Inverno. Tão bom.

{#53.313.2019}

Às vezes tenho saudades de escrever. Escrever mais e melhor. Depois lembro-me que quando escrevo mais e melhor é quando a instabilidade já se apoderou de mim e não estou bem.

Estou melhor agora. Diria quase e a medo que estou finalmente bem. Tem sido um longo e duro caminho, mas agora estou bem. E tenho tantos motivos para isso.

Não me esqueço dos momentos menos bons que tive, momentos até maus e muito maus. Como poderia esquecer? Mas sinto que este tempo de agora é para dedicar a dias bons. A coisas boas.

Sou grata a todos os que me acompanharam neste caminho longo e aos que se juntaram entretanto. Tem sido duro. Ou foi duro. Mas agora vale a pena sorrir. Sorrisinho ao canto da boca e brilhozinho nos olhos.

Por isso tudo não escrevo. Ou não o faço como gostaria. Mas depois lembro-me que é tão melhor estar como estou hoje e a saudade da escrita intensa e profunda acalma e sossega.

Amanhã é mais um dia daqueles que valem a pena simplesmente porque sim. Por isso sorriso ao canto da boca. Brilhozinho nos olhos. Saltaricar por aí.

É tão bom estar assim. Bem!

A escrita vai ter que esperar.

{#52.314.2019}

It is what it is. E é bom saber que é assim.

Borboletas. Collywobbles. Tão bom.

{#51.315.2019}

Há dias que não apetecem… Mas tudo bem, tudo tranquilo. Apenas não apetecem.

{#50.316.2019}

Há 50 dias neste ano que promete e já tanto aconteceu de bom. Que continue assim e, se puder, que melhore. E pode.

{#48.318.2019}

Dia de preguiça. E de pôr coisas em perspectiva.

Borboletas calminhas, tranquilas, mas presentes. Sempre. Como sempre. Ou nem por isso.

{#47.319.2019}

Fazer acontecer é bom. Resta agora aguardar pelos resultados do que já está feito e do que ainda falta.

De resto, borboletas na barriga em vôo tranquilo e totozice elevada ao expoente máximo. Mais do mesmo, portanto.

{#46.320.2019}

……ansiedade filha da mãe. Prefiro-a quando me chega em jeito de borboletas na barriga e não como hoje que faz o ar que respiro doer……